Construindo um Repositório Corporativo com Artifactory

Ainda me lembro do inferno das DLLs quando trabalhava mais ativamente com produtos da Microsfot. Naquela epoca sofriamos com problemas de dependêcias. Quando comecei a trabalhar com Java sofri o mesmo problema de uma forma um pouco diferente mas na essência era a mesma coisa.

Em java o problema tem o nome de inferno dos jars. É incrével ainda ver empresas que em 2010 ainda passam por este tipo de problema em Java. Isto por que existem duas soluções que resolvem este tipo de problema. Estou falando do Apache Maven 2 e do Apache Ivy. As suas soluções da apache provem a funcionalidade de gestão de dependências.

É comum ver uma pasta chamada *lib* no classpath das aplicações java com mais de 100 jars, sendo que 70% ou mais não serve pra nada, nunca foi usada, nunca se quer foi tocado pelo classloader e dificilmente ira ser todado, mas por que as pessoas ainda fazem isso ? Por dois motivos: 



Problemas de Depedências: Todo mundo ja deve ter visto o famoso ClassNotFoundException
várias vezes. Muitas vezes o que é feito é copiar todas as jars que existem nos servidores de aplicação e que vem nas distribuições dos frameworks para a nossa boa e velha pasta lib. Claro que esta abordagem não é a melhor, mas é muito utilizada e poupa mais tempo. O problema é que você fica cheio de jars que você não precisa e a sua aplicação pode inchar.

Nota: Os Servidores de aplicações mais robustos como o Websphere por exemplo deixam você criar bibliotecas compartilhadas, assim você não precisa empacotar todos os seus jars na sua distribuição(ear, war, jar) e pode deixar o servidor colocar isso no classpath.

Desconhecimento: É incrivel o fato de que ainda eixstem muitas empresas com baixo uso de maven ou ivy para resolução de dependências, como consultor eu vejo isso muito e muito e não só no Brasil mas fora também.

Usando a Gestão de Dependências

Se você ainda não utiliza um framework que faça gestão de dependências,  recomendo começar a usar o quanto antes. Pode ser maven 2 ou ivy mas você deve usar, por que você vai ganhar nos seguintes pontos:
  • Dependências Transitivas: Estas são as dependências das dependências e as que realmente dão trabalho para achar.
  • Dependência certa, versão: Na abordagem da pasta lib, não existe um controle em cima de qual versão do jar é necessário e se esta versão esta em produção ou desenvolvimento, com um framework de resolução de dependências você vai ter um controle fino sem enloquecer com este aspecto.
  • Download automatico: Com uma solução de gestão de dependências você precisar procurar, baixar e colocar o jar e as dependências no classpath da sua aplicação. Esta é uma outra grande vantagem.
  • Atualização de versões: Esta é outra grande dor de cabeça, principalemente se você tem diversas aplicações que usam um jar que você desenvolve internamente, logo pode ser necessário entrar em muitas aplicações e fazer a troca da versão na mão, isso da trabalho e toma tempo.
Espero que você ja esteja convencido de que ter uma solução de gestão de dependências como ivy e maven é uma boa idéia. Az vezes as empresas usam maven ou ivy mas esquecem de ter uma solução de repositório corporativo por traz disso tudo.

Construindo um Repositório Corporativo com Artifactory

Eu já usei em produção soluções de repositório corporativo para java como o nexus e archiva. Mas hoje em dia uso o Artifactory e não me arrependo disso. O problema principal do archiva é que ele é muito lento pare baixar e resolver as dependências, coisa que o artifactory faz muito bem e muito rápido.

Você deve usar o artifactory por que ele prove um console web para que você administre os seus jars(soluções e plugins) de terceiros como spring, hibernate, jboss e os que você faz na sua própria empresa. Esta separação pode ser feita através de repositórios. 

Também é possivel seprar e controlar as versões do que esta em desenvolvimento e o que esta em produção. Muitas vezes as pessoas enchergam o artifactory apénas como uma solução de proxy, evitando que você gaste banda da sua empresa, mas na verdade é muito mais.

Controle das dependências

Com o artifactory você pode controlar através de uusários e grupos, quem e que aplicação pode consumir e usar determinados repositórios e jars. Da forma que você pode restringir o uso de Spring por exemplo apénas para alguns projetos (eu não faria isso :).) Você também passa a controlar melhor as suas dependências internar, das soluções que você faz, limitando e centralizado a forma de acesso a essas dependências da forma que você nunca mais vai perder uma dependência.

Repositório consolidade em M2 e Ivy


O a figura a cima mostra é que através de um repositório *virtual* no artifactory você pode servir a consumidores com maven ou com ant usando ivy. O que é mais legal disso tudo é que o repositório é o mesmo.

Como isso é possivel? Por que o artifactory é flexivel e nos vamos seguir alguns padrões para fazer isso. O Artifactory já trabalha com o padrão de dependências do maven 2que é:
  • GroupID: Grupo da solução, agrupador macro de modulo ou empresa provedora. Ex: org.springframework.
  • ArtifactID: Representa o identificar do artefato em si que esta sendo disponibilizado/consumido. Vai ser muitas vezes o nome do jar da antiga pasta lib como por exemplo: spring.
  • Version: É a versão do jar. No maven quando vemos algo do tipo 1.0 normalmete indica que a solução esta em produção ou se foi disponibilizada usa-se GA. Quando a solução esta em desenvolvimento se utiliza SNAPSHOT e as vezes seguido da data e hora do ultimo build.
Com ivy, as coisas funcionam de forma parecida pois nos temos os atributos: organisation, module e revision que tem equivalencia em ordem a groupid, artifactid e version. A grande diferença é que com ivy nos passamos um pattern estilo regex para a resolução de dependências. Este tipo de coisa não ocorre no maven por que o pattern é o mesmo e pre-definido.

Fato é que o ivy lhe da mais flexibilidade, mas também faz você passar muito mais trabalho. O que sugiro é que você use o mesmo pattern do maven no ivy, assim vamos ter consistência nos deploys feitos no artifactory e desta forma vamos ter o mesmo repositório para ivy e maven.

Configurando i Ivy para para baixar e fazer deploy no Artifactory

Para fazer isso basta utilizar o arquivos xml a baixo que chamei de ivy-artifactory-settings.xml;

<br><ivysettings><br>    <settings defaultResolver="public"/><br>    <credentials <br>        realm="Artifactory Realm"<br>        host="seu_host_do_artifactory" <br>        username="admin_user" <br>        passwd="admin_password"    <br>    />    <br>    <resolvers> <br>        <ibiblio name="public" m2compatible="true" root="http://seu_server:8080/artifactory/seu_proxy_repository" /><br>        <url name="publish_artifactory" m2compatible="true" > <br>            <artifact pattern="http://seu_server:8080/artifactory/seu_repositorio_release_repository/[organisation]/[module]/[revision]/[artifact]-[revision].[ext]" /> <br>        </url> <br>    </resolvers>     <br></ivysettings><br>

Não esqueça de usar o pattern [organisation]/[module]/[revision]/[type]s/[artifact].[ext] para resolver as dependências. Na hora que você for publicar o seu jar via ivy, você pode usar uma task para fazer o pom do maven a partir das dependências do ivy, seria algo mais ou menos assim:
<ivy-makepom<br>            ivyfile="${ivy.xml.file}" <br>            pomfile="${basedir}/dist/${ivy.organisation}/${ivy.module}/${ivy.revision}/${ivy.module}-${ivy.revision}.pom"<br>        ><br>             <mapping conf="default" scope="compile" /><br>             <mapping conf="runtime" scope="runtime" />           </p>  </ivy-makepom><br>

Levando em conta que você gerou seu jar na pasta dist e que ele segue o pattern do maven 2, ou seja, esta dentro da pasta com a organização depois a pasta do modulo a pasta da versão e o jar com a versão.

Se você quizer saber como consumir os artefatos via maven e publicar os artefatos via maven não tera problema nenhum pois o ivy agora segue o mesmo pattern do maven então um pode consumir dependências geradas pelo outro.

Desta forma não importa se o projeto usa maven 2 ou ant com ivy, usando o artifactory seguindo os padrões e dicas que dei neste post você tera o mesmo repositório para tudo.

Abraços e até a próxima.

    Popular posts from this blog

    Telemetry and Microservices part2

    Installing and Running ntop 2 on Amazon Linux OS

    Fun with Apache Kafka